quarta-feira, 20 de junho de 2012

As Irmãs von Evans - Parte 2

Na primeira parte conhecemos um pouco mais da origem de Margareth von Evans, jovem bruxa que fazia parte de uma tribo nômade, cuja primeira filha Jane veio de seu envolvimento com o líder da tribo. Outras cinco filhas biológicas (e uma adotiva) vieram deste relacionamento, que só foi interrompido com a morte de seu marido. A bruxa não tardou a definhar de tristeza, morrendo anos mais tarde, quando sua filha mais velha completava seus 19 anos. Agora órfãs de pai e mãe, as irmãs von Evans tinham apenas uma à outra. E foi quando Jane decidiu que deveriam partir em busca de sua antiga tribo.



Jane, Zethi, Cecily, Elleanor, Irma, Nayse e Dorothi deixaram seu lar num vilarejo distante do mundo carregando apenas algumas trouxas de roupas, água, umas poucas provisões e um baú encantado. O baú era feito de uma madeira resistente, entalhado com pequenas espirais e flores num relevo delicado, quase imperceptíveis. Naquela época, ainda era envernizado, lustroso e recente. Havia sido um presente de seu pai, Jude, a Margareth quando Jane ainda estava para nascer. Com as constantes mudanças de endereço da tribo onde viviam, um baú encantado para armazenar impressionantes quantidades de objetos sem alterar significantemente seu peso parecia ser a melhor saída para Margareth e o futuro bebê - acabou se tornando a única herança deixada pelos pais às sete filhas, além dos livros de que Margareth cuidava com tanto afinco.
A primeira parada definitiva da viagem foi já na divisa do Arizona com o estado do Novo México. A contagem do tempo era imprecisa; entre caronas em carroças, viagens a pé e as várias paradas, as sete viajaram por pouco mais de um mês sem estabelecer uma estadia fixa. Já passada a fronteira e deixando o Arizona para trás, Jane descobriu algo de seu interesse ao passarem por uma cidadezinha: ouro. A promessa de fortunas era bastante tentadora quando se tinha sete bocas para alimentar e nenhum dinheiro. Para arranjar um teto para viver, Jane usou pela primeira vez a magia de modo a prejudicar outra pessoa: enfeitiçou os cavalos do dono de uma estalagem, deixando-os em grande agonia. O comerciante sofreu grande prejuízo nos negócios, pois seus animais não conseguiam suportar peso nenhum sobre o lombo, e muitos viajantes não se arriscavam a se hospedar na estalagem com medo de que seus animais também ficassem doentes. Jane então ofereceu-se para ajudar a tratá-los, pedindo apenas abrigo para si e suas irmãs. O comerciante, desesperado, aceitou. A cura miraculosa se deu alguns dias depois, mas o abrigo para as von Evans se tornou tão permanente quanto a gratidão do comerciante.
Então Jane e suas irmãs saíram em busca de ouro...

Um comentário:

Rafaela. disse...

Outch, já te falei que eu não gosto da Jane? haha
Larissa, este baú encantado é o mesmo que esta no quarto da Malena?

Ah, adorei o post! Aguardo ansiosamente pelos próximos. *-*

Beijocas.
http://artesaliteraria.blogspot.com.br